Ovulação, fase lútea e TPM na Dieta Cetogênica

A partir de depoimento enviado por uma apoiadora do projeto Revolução Keto, analisamos a influência da dieta cetogênica (nutrição em geral) e da vida nos momentos-chave da mulher: ovulação e TPM.

Veremos a mudança de macros durante o ciclo menstrual, o que a fase lútea significa na vida da mulher contemporânea e as consequências de lutar contra esta parte fundamental do Feminino. Usaremos como base três fontes principais:

  • Ginecologista Christiane Northrup, autora do best-seller Corpo de Mulher, Sabedoria de Mulher (Women’s Bodies, Women’s Wisdom), livro mais vendido no mundo sobre saúde feminina. Vocês encontram o livro gratuitamente no acervo exclusivo aos apoiadores do Revolução Keto, em inglês.
  • The Hormone Cure, pela endocrinologista Sarah Gottfried.
  • Estudos apresentados pela endocrinologista Janaína Koenen, em sua entrevista ao projeto Revolução Keto

Torne-se apoiador do projeto e mantenha vivos a produção de vídeos, pesquisas, site, acervo com os maiores livros e seminários internacionais de dieta Cetogênica. Sem os apoiadores, vídeos como este não seriam produzidos.

Apoie o Revolução Keto

O maior portal de Dieta Cetogênica no Brasil só existe graças às doações dos leitores. Colabore você também.

Ovulação, fase lútea e TPM na Dieta Cetogênica

A apoiadora menciona que não consegue voltar à Dieta por 15 dias. Passa por restrição alimentar excessiva e está em TPM.

NOTAS IMPORTANTES SOBRE OVULAÇÃO E TPM NAS MULHERES

  • Logo após a ovulação, o corpo sofre de queda abrupta de estrogênio. Em muitas mulheres, isso significa queda de energia e de serotonina. Isso ocorre novamente na última semana do ciclo. Temperatura corporal, sono, processamento sensorial (luzes, sons, toque), tudo se altera, tornando a mulher altamente vulnerável a estímulos. Manter-se uma máquina produtiva aqui é uma das melhores definições de violência.
  • O conto mencionado no vídeo se chama “Os Sapatinhos Vermelhos”, de Hans Christian Andersen, e tem uma leitura magnífica da psicóloga Clarissa Pinkola Estés. A reflexão está no clássico “Mulheres que Correm com os Lobos”, disponível no acervo dos membros do Revolução Keto.
  • A oscilação de estrogênio e de serotonina ligada a este período, também estão ligadas a mudanças na energia, temperatura corporal e no processamento sensorial, bem como à elevação do desejo por carboidratos, que elevam a serotonina no cérebro. Não se trata apenas de glicose.
  • Com relação à fisiologia, na fase lútea, nossa resistência insulínica se agrava. A ideia da Cetogênica é justamente cortar carboidratos para melhorar a resistência insulínica. A fase lútea é o momento em que o carboidrato precisa sair e a gordura e a proteína precisam entrar. Me perguntaram no grupo agora de manhã por que jejum justamente na fase lútea: por isso. Pela resistência insulínica. Fung trata resistência insulínica e obesidade com jejum. Por que nós não?
  • A resistência insulínica aumenta 18% no meio da fase folicular: algo como 7 dias depois do primeiro dia de menstruação. E cai novamente logo antes da menstruação. Então, o momento ideal para o jejum são estas três semanas.
  • Menstruou? Eleva carboidrato na primeira semana e começa a reduzir ou fazer jejuns, voltando a comer os três macros após a menstruação. Dentro do espectro cetogênico ou não. Cada um tem seu objetivo e sua limitação de carboidratos, que varia de exercício físico, histórico, etc. Ou seja, você pode fazer low carb na fase folicular e Cetogênica na lútea. Você pode fazer Cetogênica preguiçosa (não contar números, mas se ater a alimentos estritamente cetogênicos) na fase folicular e usar jejuns na lútea. Ou você pode fazer Cetogênica no teto (50g de carbs totais ao dia para pessoas sedentárias) e entrar em cetogênica terapêutica na lútea (elevação de gorduras, especialmente MCTs e reduzir carboidratos para 30g totais ao dia).
  • Particularmente, não trabalho com isso, porque trabalho com distúrbios alimentares. Mas, é uma chave para quem quer tratar questões fisiológicas reais. O que eu gosto de fazer é redução de carboidratos e elevação de proteínas e gorduras na ovulação. Por quê? Estudos apontam que, na ovulação, mulheres que passam por questões graves ligadas ao ciclo sentem sim mais desejo por alimentos com alta gordura e doces. Então, na fase lútea, eu reduzo carboidratos devido à resistência insulínica e elevo gorduras e proteínas.
  • Vai ovular? Deixa pronto na geladeira: ambrosia keto, cremes de abacates, cocadinhas, picolés e sorvetes. Doces altamente cetogênicos, cujas receitas vocês encontram na seção de receitas de Cetogênica Terapêutica, aqui no site
  • Ao meu ver, não é hora de regular porções, até porque na fase lútea há alguma elevação do metabolismo basal. Não é algo grotesco, mas importa. Jamais regularei calorias vindas de três fontes neste período do mês, a fase lútea: abacate, coco (incluindo óleo e MCT) e oliva.

Assista ao vídeo sobre a relevância do Aterramento no metabolismo e na Dieta Cetogênica aqui no canal. Glicose, inflamação, estresse, câncer, doenças imunes, tireoide, etc. (vídeo disponível a partir de dezembro de 2020)

Receba notificações por email
Notificações de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments