Artigos

Selênio no tratamento da tireoide (especialmente, na cetogênica)

selenio tratamento tireoide hashimoto suplemento tratamento

A tireoide é o órgão com maior quantidade de selênio no corpo humano, sendo o mineral fundamental na produção dos hormônios da glândula. Mas, selênio é um dos minerais faltantes na dieta cetogênica. Ele aparece na lista do estudo de Beth Zupek-Kania, que é de extrema importância, justamente para sabermos quais exames pedir e para cruzarmos informações entre histórico e dieta, direcionando suplementações.

Veja a lista de nutrientes faltantes no estudo original ou o no especial sobre o tema no Telegram exclusivo dos apoiadores do Revolução Keto.

Por que selênio para mulheres?

A maioria esmagadora das médicas pede exame de selênio quando falamos de saúde mental ou hormonal. Isso porque selênio é chave na conversão do T4 para o T3 (será esta mais uma causa para o T3 cair na cetogênica? Fiquemos de olho nos exames individuais de selênio).

Por isso, muitos estudos observam o uso do selênio em conjunto com levotiroxina (T4), mesmo que alguns médicos sugiram apenas repor o mineral sozinho mesmo.

Deficiência de selênio está associada a doenças da tireoide:

  • Hipotireoidismo
  • Hipotireoidismo subclínico
  • Hashimoto
  • Câncer de Tireoide
  • Doença de Graves

Ainda, diversas pesquisas demonstram que suplementação do selênio é fator importante na redução do TPO (Antiperoxidase tireoidiana), um marcador essencial no diagnóstico de Hashimoto.

Izabella Wentz, uma das maiores especialistas em tireoide no mundo low carb / keto, fez uma pesquisa com suas clientes, chegando ao número de 63% de mulheres deficientes em selênio. Outros nutrientes comumente deficientes nestas pacientes, diz Wentz, são Ferro, B12, Vitamina D, Magnésio e Tiamina (B1).

É importante dizer que nem tudo se trata de números no exame. Em mulheres com excesso de iodo, pode haver excesso de peróxido de hidrogênio, que é produzido no processo de conversão de hormônios. O selênio é usado para neutralizar este composto (junto com glutationa). Excesso de iodo pode levar ao excesso de peróxido de hidrogênio, que é inflamatório, e nem mesmo níveis normais de selênio dariam conta do processo.

Como suplementar selênio?

Um valor médio usado em estudos é de 200mcg de selênio ao dia, com ou sem uso simultâneo de levotiroxina. Este suplemento pode ser facilmente encontrado na internet.

Outros estudos já usaram direto a L-selenometionina para elevar a eficácia na metilação, no mesmo valor: 200mcg ao dia. selenometionina pode ser comprada no mercado livre, da estupenda Thorne.

Tempo de tratamento

Estudos demonstram melhoria nos marcadores de Hashimoto, com suplementação de selênio após 3, 6 e 12 meses de suplementação. Sim, é lento.

Lembrando que selênio pode ser ainda mais importante para mulheres que suplementam iodo na dieta cetogênica. Dois fatores unidos que podem sim representar a necessidade de selênio extra.

Castanha do Pará?

Eu sei que vocês estão pensando na castanha diária. Justo. Quero apenas lembrar que muitas destas mulheres têm problemas intestinais que levam à má absorção de nutrientes. Ao ponto em que estou conversando com uma nutróloga para fazer injeções de complexo B na capital, por exemplo. Contar com alimentos é bonito, mas em casos em que doenças por deficiência de nutrientes já estão manifestas, suplementações podem ser mais interessantes.

De toda forma, a Embrapa afirma que a quantidade de selênio na castanha é altamente variável, porque depende totalmente da riqueza do solo. Pesquisadores encontraram uma diferença de até 5x no teor de selênio comparando castanhas produzidas em diferentes solos. Aqui, é ingênuo afirmar que “três castanhas ao dia é suficiente” para alcançar os 55mcg sugeridos em manutenção, quem dirá 200mcg em dose terapêutica.

Mesmo assim, alguns alimentos ricos em selênio são: castanha do pará, frango, gemas, sementes de girassol, sardinhas, presunto e porco, cogumelo, espinafre etc. Não à toa, estes alimentos estão na minha lista de superfoods cetogênicas.

Observação: não entrarei nisso neste conteúdo, mas outro suplemento muito usado para estes casos é a Nigella sativa L. (N.sativa), também conhecida como cominho preto, que elevou T3 e reduziu TSH e Anti-TPO em 8 semanas de tratamento em estudo randomizado controlado. 

Leia também:

Selenium supplementation in the treatment of Hashimoto’s thyroiditis: a systematic review and a meta-analysis

Receba notificações por email
Notificações de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments