Artigos

Como o discurso da autonomia está te matando

neuroses bipolaridade depressao tdah psicologia

Tu já ouviu de alguém que tu gera problemas onde não existem ou que maximiza as questões até que se tornem crises?

Possivelmente, sim. Ouço isso desde que nasci e queria que tu ressignificasse isso.

Toda a base da minha psicologia está fundamentada no aniquilamento do positivo e do negativo: é o fim das polaridades a partir da complementaridade, da integralidade. Por isso trato bipolares.

É tu compreender que a ideia de positivo e de negativo é o grande algoz da tua mente e que é esta ilusão original que gera teu caos mental.

E tu cresceu gerando crises onde não havia e estes problemas foram se somando, porque as crises não vão parar de se acumular até tu entender o que elas querem te dizer. Agora, tu é de fato uma acumuladora e vive em uma casa cheia de caixas jogadas pelo canto. Cada caixa tem uma crise guardada e o caos é tão grande, que não é mais possível saber por onde começar a organizar.

Aqui, entra o psiquiatra.

Ou, entra a cura.

O que aprendi em 38 anos de criação de crises?

Que poder, o verdadeiro poder, é a capacidade de solucionar as crises.

Aquele que vive para evitar as crises encontrou o mais perfeito caminho para a estagnação.

Qual o problema em criar problemas se há amor pelo desafio de solucioná-los e as lições aprendidas na jornada te geram verdadeiro poder interno?

E eu quero te avisar que tua mente te presenteia com 700 crises diárias porque tu precisa abraçar este poder. Se tu seguir renegando este chamado, amanhã, serão 800 crises. 900 crises. E eu sei que apavora. Eu me apavoro ao menos.

Toda crise tem um movimento padrão, que é o movimento de evolução humano:

  • zona de conforto
  • crise
  • caos
  • aprendizado
  • evolução
  • zona de conforto.

Assim, vamos crescendo.

Quero que te dizer que o que tu teme não é perder a zona de conforto. Isso é idiotice de instagram e tua ansiedade interna exigindo que tu te mova agora é a prova do que estou dizendo. Mais idiotice ainda é a máxima “vai ficar tudo bem”, que não funciona para uma mente extraordinária.

A mente extraordinária sabe o tamanho do caos que se segue à crise. E o medo dela não é sair da zona de conforto, é enfrentar este caos gigantesco.

Porque o tamanho do caos é o tamanho do homem. O medo é a medida do homem. O tamanho do teu medo mostra o tamanho da complexidade com que tu enxerga o mundo. É por isso que assusta tanto.

E tu fica aí, te sentindo um solitário coitado, quando na realidade o medo que te toma é teu único troféu de grandeza. Tu é imenso e teu medo é imenso.

Ok, mas como vencer este medo?

Com teu maior ponto fraco: pequenas ações. Simplicidade.

São necessárias décadas de prática para que tu acredite que é capaz de vencer absolutamente todas as crises e aprender a cruzar todos os caos que obrigatoriamente seguirão cada uma das tuas ideias mirabolantes.

Como fazê-lo?

  1.  Teu quarto está bagunçado. Arrume-o. Pronto. Tu venceu uma crise.
  2. Tua geladeira é um acúmulo de junk food. Jogue fora, vá ao supermercado e compre comida de verdade. Pronto. Tu venceu mais uma crise.

Tu está aí esperando que o anjo Gabriel desça do céu com uma bandeja de virtudes que te farão ser capaz de solucionar todas as crises que tu criou ao longo de décadas – todos estes chamados para abraçar teu maior poder: ser um solucionador de crises. Temo dizer que Gabriel está ocupado com outras coisas.

Então, eu venho no lugar dele dizer que é hora de levantar desta porcaria de computador, arrumar os armários, pagar as contas do mês, cozinhar, lavar a louça e sentar no fim do dia mostrando para si mesma que tu venceu as crises de hoje.

Repita isso por 30 anos. Tu cruzará divórcios, mortes, desemprego e todas as tragédias humanas com teu maior troféu: tu sabe arrumar teu quarto, organizar o armário e passar a vassoura na casa.

Por que a casa importa tanto?

  • A primeira meta do ser humano é unir sua mente e suas emoções. Tornar mente e coração integrados, não conflitantes. Ideias e emoções precisam andar na mesma direção.
  • A segunda meta do ser humano é pegar a integração mente/emoção e integrá-la ao corpo. Isso é ação. É isso que freia o pensamento incessante, é colocar teus valores mais profundos em prática. Estas três integrações são o oposto da dissociação que caracteriza grande parte das neuroses das quais sofremos. Mas, temos a terceira e mais árdua meta, ligada aos meus amados fenomenologistas:
  • Tua terceira meta é apagar a separação entre tu e o mundo.

Este é o ideal da filosofia e é o anticristo da psicologia de instagram, este mundo da suposta autonomia, em que tu precisa vencer tudo independentemente do meio.

Esta merda de autonomia contemporânea, que na realidade é uma reatividade à nossa incapacidade de gerar laços, jamais funcionará com os leitores deste site, porque estamos condenados, fisiologicamente, à lição da fenomenologia:

Não há separação entre nós e o mundo.

E é por isso que as luzes e os sons te machucam. É por isso que tua mãe tóxica te destrói. Que o frio arrebenta com teu sistema vascular. Que a indiferença do teu marido te sabota.

“Tu é uma esponja”, falam de nós. Somos uma esponja aos estímulos externos.

Seria isso uma doença? Direi que não, porque este é o ápice do ser humano aos olhos de Jung e de diversas tradições budistas.

O apagamento entre os muros que supostamente nos separam é o mais alto grau de desenvolvimento da psique humana. É a verdade da interdependência.

E é exatamente por isso que a tua rotina está um caos neste momento. Porque tu está um caos e o mundo está um caos pandêmico.

Agora, me diga, o que é mais fácil: tu organizar tua psique, encontrar a cura da covid ou passar uma vassoura na sala e ir ao banco resolver a burocracia de hoje?

Não há diferença entre teu lar e tua mente. Aprender a organizar o externo é aprender a organizar o interno. Cruzar o caos inicial de uma faxina e sorrir cheia de dores no corpo ao final do dia é exatamente o mesmo movimento que tu percorrerá ao longo de toda tua vida. Para absolutamente todos os desafios.

Comece pequeno, mas nem por um segundo esqueça: este pequeno passo tem um poder imensurável sobre tua história.

É tudo imenso para ti, não é mesmo? Então, pague o preço desta verdade integralmente. Vá varrer a sala enquanto salva o mundo.

Receba notificações por email
Notificações de
guest
2 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Rita PAtricia Goncalves
Rita PAtricia Goncalves
11 dias atrás

Ju, que maravilha seus textos. Tudo faz muito sentido pra mim quando vc fala e me acalma. Reconhecer que toda essa desordem criada e alimentada está apenas querendo conversar contigo e te ensinar algo. E nós fugindo. Eu ja vinha analisando isso, a bagunça que tenho deixado virar meu guarda roupa, o prazer que perdi em arrumar minha casa e o tempo que deixei de estar com meus filhos no sofá assistindo qualquer coisa com eles. Tudo isso foi ficando pra tras e hoje fico exatamente em frente ao computador buscando, procurando explicações de porque isso aconteceu e como faço pra recuperar tudo isso. E você não poderia ter deixado a explicação mais simples…voltar a fazer as coisas reais, um pouquinho por dia, um dia de cada vez. Voltr, devagar, exatamente como fui deixando…